Where To Buy Contact Options
ícone de telefone
Se você tem dúvidas, ligue para nós.
1-800-338-3287
Talk to an Expert
mobile menu icon mobile menu close icon

Todos nós já ouvimos a famosa frase do filme Rebeldia Indomável de 1967: “O que temos aqui é uma falha de comunicação.” A má comunicação pode levar a resultados inesperados e indesejados em muitas situações, mas a falta de comunicação ou “falha na comunicação” durante uma entrada em espaço confinado pode levar à uma tragédia.

Não conheço ninguém que goste de entrar em um espaço confinado – uma área com um caminho limitado para entrar e sair, não projetada para ser ocupada por um ser humano, mas grande o suficiente para alguém entrar e fazer um trabalho necessário. Estive em muitos, desde antes dos meus 35 anos no ramo, e não consigo pensar em nada pior do que rastejar para um buraco escuro sem ter certeza de que alguém está do lado de fora vigiando e me protegendo. Acreditem em mim, eu fiz isso mais de uma vez.

confined-spaces-workersA comunicação em espaço confinado começa bem antes de alguém realmente entre no espaço em si. Começa com a compreensão adequada dos perigos e riscos que alguém pode encontrar ao trabalhar dentro do espaço. O Guia NFPA 350 da National Fire Protection Agency para entrada e trabalho seguros em espaços confinados afirma que a comunicação é uma “parte vital e recorrente da redução de riscos” em entradas de espaços confinados.

Os perigos são identificados e comunicados durante as avaliações de perigos relacionado ao trabalho e podem ser comunicados por meio de outros recursos, como fichas de dados de segurança (FDS) que identificam as substâncias que podem ser encontradas dentro de um espaço, plantas e esquemas com informações sobre a construção e equipamentos que devem estar no espaço, e cartazes e marcações afixados de avisos específicos aos trabalhadores autorizados sobre o espaço. É melhor você prestar atenção a essas coisas antes de entrar no espaço, para saber exatamente em que pode estar se metendo.

O cumprimento de padrões de comunicação de perigo

A comunicação de perigo é apenas uma das exigências de comunicação nos espaços confinados. A regra definitiva do Registro Federal dos Estados Unidos para Espaços Confinados em Construção, 1926.1208(d)(3), que é, para todos os efeitos, idêntica à regra definitiva para entrada em espaços confinados para qualquer setor, 1910.146(d)(4)(iii), afirma que um vigia em uma entrada em espaço confinado deve ter todo o equipamento necessário para se comunicar de forma eficaz com os trabalhadores autorizados no espaço. Esse vigia também deve ter a capacidade de chamar ajuda em caso de emergência, se necessário, e informar os trabalhadores autorizados se algo fora do espaço criar uma ameaça para eles trabalharem com segurança no interior.

A comunicação com os trabalhadores autorizados em um espaço confinado pode ocorrer de várias formas, incluindo:

  • Comunicação direta de voz a voz entre o vigia e os trabalhadores autorizados.
  • Rádios bidirecionais
  • Outros métodos de comunicação não verbal ou visual.

Mas o que acontece se a configuração do espaço for complexa e o vigia não conseguir ver os trabalhadores autorizados? E se o trabalho no espaço provocar muito ruído, dificultando a audição do vigia ou do rádio enquanto estiver com a proteção auditiva? E se usar um respirador abafa a voz do trabalhador autorizado, tornando o pedido de ajuda difícil de entender? E se a configuração do espaço limitar a recepção de rádio bidirecional? E se…?

Comunicação com detectores de gás portáteis simplificada

Espaços confinados com acesso restrito exigem um detector de gás portátil para testar a atmosfera do espaço antes de alguém entrar nele. Muitas pessoas acham que a exigência deveria se aplicar a todos os espaços confinados. A NFPA 350 Sec. 7.13.1 vai além, afirmando que a “atmosfera dentro e fora do espaço confinado deve ser monitorada continuamente para garantir condições de trabalho seguras e contínuas”.

linkedin-In-Stream_Wide___TeamBasedSafetyA maneira mais eficaz de fazer isso é cada trabalhador autorizado dentro espaço carregar um detector multigás portátil e pessoal, como o Ventis® Pro5. Os monitores de gás pessoais estão disponíveis hoje com sistemas de rádio incorporados que podem fornecer comunicação de dentro de espaços confinados para o mundo externo. Esses sistemas permitem que os detectores formem facilmente redes de comunicação de malha sem fio que repetem mensagens e permitem a transmissão contínua de sinais de rádio mesmo nos espaços confinados mais complexos. Os detectores de gás transmitem medições do sensor continuamente, permitindo que um vigia fora do espaço observe as condições internas em um detector que monitora o ponto de entrada ou em um console de monitoramento independente.

As condições também podem ser monitoradas remotamente ou de vários espaços ao mesmo tempo com o software iNet® Now Live Monitoring. A comunicação de monitor a monitor permite que um trabalhador autorizado no espaço saiba que um colega encontrou um risco de gás ou está passando por uma emergência física ou médica ao mesmo tempo em que o vigia é alertado do lado de fora.

Da mesma forma, esse vigia pode usar o detector de gás para alertar os trabalhadores dentro do espaço se as condições externas comprometerem a segurança deles. As mensagens de rádio desses dispositivos permitem até que os próprios sistemas detectores de gás alertem os socorristas e o pessoal de resgate, se necessário, fornecendo informações mais diretas sobre a natureza da emergência e a localização exata do espaço.

A boa comunicação não deve parar quando as operações de entrada terminarem. As informações registradas e coletadas dos monitores de gás que monitoram continuamente os espaços confinados devem ser armazenadas e revisadas com a plataforma iNet Control e usadas para informar as equipes sobre as condições encontradas durante uma entrada e antes da entrada seguinte no mesmo espaço confinado. Isso oferece diversas oportunidades de mitigar condições perigosas inesperadas, antes que elas sejam encontradas novamente.

iNet_Now_HighAlarm

Se as operações de entrada em espaços confinados forem realizadas com segurança, você simplesmente não deve tolerar uma “falha na comunicação”. Na próxima vez que você enviar sua equipe para entrar em um espaço confinado, verifique se as pessoas têm todas as informações corretas e estão carregando o equipamento de detecção de gás certo, isso não apenas salvará as vidas delas, mas também fará com que saibam que alguém sempre as protege.