Where To Buy Contact Options
ícone de telefone
Se você tem dúvidas, ligue para nós.
1-800-338-3287
Talk to an Expert
mobile menu icon mobile menu close icon

As temperaturas externas em queda significam que fornos e estufas de madeira estão esquentando nos ambientes internos, deixando os proprietários e socorristas em maior risco de envenenamento por monóxido de carbono.

O monóxido de carbono não é um gás natural, mas é o que as pessoas têm maior probabilidade de encontrar. Com mais de 50.000 pessoas hospitalizadas a cada ano por envenenamento por monóxido de carbono, é importante que os bombeiros e os socorristas saibam o que procurar ao responder a uma chamada de monóxido de carbono.

Níveis perigosos de monóxido de carbono podem ser produzidos por qualquer aparelho queimador de combustível, incluindo fornos a gás (não elétricos), fogões a gás, secadoras a gás, aquecedores a gás, lareiras e automóveis. Muitos fornos e estufas produzem grandes quantidades de monóxido de carbono, especialmente quando não têm manutenção adequada. Motoristas de caminhão, operadores de empilhadeira ou pessoas que trabalham perto desse tipo de equipamento correm maior risco de exposição, assim como pessoas que trabalham em espaços confinados como bueiros, garagens, túneis, docas de carga, armazéns, oficinas de reparo de veículos e veículos de lançamento de cabos.

O monóxido de carbono é uma toxina insidiosa que parece feita sob medida para enganar desprevenidos. Incolor e inodoro, é impossível de detectar sem monitores de gás. Para piorar a situação, o envenenamento por monóxido de carbono é facilmente confundido com a gripe porque têm muitos dos mesmos sintomas, incluindo náusea, dor de cabeça e fadiga. O risco de envenenamento por monóxido de carbono também é maior durante a temporada de gripe, tornando-o ainda mais difícil de identificar. Mas identificar é preciso: se houver monóxido de carbono presente, você precisará evacuar imediatamente a área.

Bombeiro com detector de CO

1. Entreviste os ocupantes: fale com os ocupantes e observe os sintomas de exposição ao monóxido de carbono. Pergunte sobre as possíveis fontes de combustão.

2. Meça o nível de monóxido de carbono: não entre na área para localizar fontes potenciais de monóxido de carbono sem um detector de gás funcionando e o EPI adequado. Verifique as possíveis fontes de monóxido de carbono usando um detector de monóxido de carbono devidamente calibrado. Certifique-se de zerar o monitor ao ar livre antes de chegar ao local. Compare as suas leituras com os níveis abaixo:

  • 50 ppm: nível de exposição permissível por 8 horas (OSHA)
  • 200 ppm: possível cefaleia frontal leve em 2 a 3 horas.
  • 400 ppm: limite de exposição de curto prazo (STEL) por 15 minutos (ACGIH)
  • 800 ppm: dor de cabeça, tontura e náusea em 45 minutos; colapso e possível morte em 2 horas
  • 1.500 ppm: imediatamente perigoso para a vida e a saúde (IDLH) em 30 minutos (OSHA)

3. Inspecione os sistemas de exaustão: verifique todas as chaminés e todos os outros sistemas de exaustão do aparelho quanto a vazamentos, rachaduras, buracos e bloqueios.

4. Crie um cenário de pior caso: ligue todos os aparelhos de queima de combustível ao mesmo tempo e feche a casa. Se a casa acumular pressão negativa, pode ocorrer uma condição de refluxo. Para verificar essa condição, ligue todos os dispositivos de exaustão (ventilador do sótão, exaustor da cozinha, ventiladores do banheiro etc.) e use um gerador de fumaça para testar o refluxo da lareira, do tanque de água quente e do aquecimento.

5. Verifique a localização do alarme de monóxido de carbono e a facilidade de manutenção: certifique-se de que os monitores de monóxido de carbono da casa estejam funcionando. Verifique se estão instalados segundo as recomendações do fabricante e se não estão localizados em áreas quentes, áreas úmidas ou a pelo menos 4,5 metros de um aparelho a combustível.

Você pode ter respondido a mais alarmes falsos do que verdadeiras emergências de monóxido de carbono na sua carreira, mas isso não é motivo para baixar a guarda.

Para ajudar a se proteger, lembre-se destas dicas para salvar vidas:

  • Faça o teste de resposta do seu detector de gás antes de cada uso
  • Calibre o seu detector de gás pelo menos uma vez ao mês ou conforme recomendado pela sua equipe de segurança
  • Zere o detector de gás apenas ao ar livre ou com ar zero
  • Saiba quanto tempo esperar para que o seu detector de gás forneça uma leitura precisa
  • Compreenda todos os alarmes e sinais do seu detector de gás
  • Nunca ignore um aviso do seu detector de gás

Trate cada chamada de monóxido de carbono como se a sua vida dependesse disso – porque depende.