Where To Buy Contact Options
ícone de telefone
Se você tem dúvidas, ligue para nós.
1-800-338-3287
Talk to an Expert
mobile menu icon mobile menu close icon

Por muitos anos, os detectores de gás faziam os usuários coçar a cabeça. Por que há leituras negativas? Como posso saber se um sensor está contaminado? Posso continuar trabalhando quando um alarme dispara? Essa coisa está funcionando?

Hoje, os detectores de gás são projetados para facilitar a tomada de decisões seguras. Novos recursos “inteligentes” não só trazem informações claras sobre a condição e os sensores do monitor de gás como também podem dizer como reagir quando um alarme dispara. Isso elimina toda suposição sobre como interpretar os alarmes e leituras do detector de gás.

Porém, com tantos recursos disponíveis, pode ser difícil saber o que realmente importa. No fim das contas, o que vai deixar você mais seguro no trabalho?

Continue lendo para saber quais são os oito recursos essenciais em um detector de gás.

1. Monitora os gases certos para o seu ambiente

Alerta na tela do Ventis Pro5

Comecemos com o básico. Se você está procurando um monitor de gás, é porque há potencial de perigos de gás no seu ambiente. Portanto, o monitor escolhido precisa ser capaz de detectar esses gases. Comece respondendo a estas perguntas:

  • Quais perigos atmosféricos estão presentes no seu local?
  • Quantos gases você precisa monitorar de uma vez?
  • Há outros gases que possam causar interferência cruzada?

Embora não haja um monitor de gás "bala de prata" que detecte todas as combinações possíveis de perigos de gás, um monitor multigases pessoal é um bom modo de começar. Procure opções de sensor para monitorar os gases com maior probabilidade de serem encontrados na sua aplicação ou os que possam representar o maior perigo caso estejam presentes.

2. Intervalos de medição que correspondam aos requisitos do seu EPI

O Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional (NIOSH) recomenda diferentes níveis de equipamento de proteção individual (EPI) com base na exposição potencial ao perigo em partes por milhão (ppm).

Para determinar com precisão a exposição, os seus monitores de gás precisam ser capazes de detectar níveis de acordo com as diretrizes do NIOSH para EPI. Por exemplo, se for possível que haja amônia (NH3) no local, os seus detectores de gás precisam ser capazes de detectar NH3 em níveis superiores a 300 ppm. No entanto, muitos detectores de gás só conseguem medir NH3 de 0 a 100 ppm. Isso apresenta um problema. Sem um dispositivo que possa medir faixas superiores a 300 ppm (ou a recomendação do NIOSH para o seu gás tóxico específico), como você vai saber se o seu EPI está fornecendo proteção adequada?

Para evitar esse problema, escolha um detector de gás com uma faixa de medição que atenda aos requisitos do EPI. Isso é especialmente importante se você estiver procurando um monitor de gás para detectar amônia (NH3), sulfeto de hidrogênio (H2S), dióxido de enxofre (SO2), ou monóxido de carbono (CO).

3. Flexibilidade para se adequar à sua aplicação

Se os seus detectores de gás serão usados para monitoramento pessoal e nada mais, isso não é um problema. Mas, se você estiver trabalhando em espaços confinados, fazendo amostragem remota, ou apenas deseja um monitor multitarefas, precisa planejar com antecedência. Muitos monitores multigases estão disponíveis em modelos tanto com bomba (aspirado) como sem bomba – mas há uma terceira opção. Alguns detectores de gás são compatíveis com bombas deslizantes, que permitem usar um monitor em várias situações. Embora os monitores com e sem bombeamento possam ser usados para monitoramento pessoal, as bombas deslizantes são uma opção popular porque reduzem o peso de um monitor e aumentam a vida útil da bateria.

Os monitores de gás bombeados permitem retirar ar de uma atmosfera desconhecida e potencialmente tóxica ou combustível para o monitor, para determinar se a área é segura. As bombas literalmente mantêm você longe de encrencas. Depois de avaliar a amostra de ar usando um monitor de gás bombeado e de confirmar que está livre de gases tóxicos ou combustíveis, você pode entrar na área testada e fazer o trabalho que precisa ser feito. Contudo, uma bomba não aumenta a faixa de detecção do monitor de gás nem o torna mais eficaz. Os monitores de gás só conseguem detectar gases que passem pelos sensores. Ter uma bomba em um monitor de gás não aumenta a quantidade de gás que os sensores detectam. Em vez disso, a bomba permite testar a atmosfera a uma certa distância do monitor.

4. Alertas de status e lembretes de manutenção

Os detectores multigases mais recentes apresentam na tela mensagens de status que podem ser vistas – antes de ligar o monitor – para verificar se está pronto para uso. Isso é útil se você compartilhar monitores com colegas e precisar saber se está carregado e quais sensores estão instalados. Além disso, lembretes de manutenção pré-programados, como FAZER TESTE DE RESPOSTA ou FAZER CALIBRAÇÃO, aparecem automaticamente na tela para você não ter de adivinhar se o monitor está pronto para uso.

Pense nessas mensagens na tela como a lâmpada piloto do monitor de gás – elas facilitam a visualização rápida do status do monitor.

5. Mensagens de ação de alarme e alarmes em tela inteira

Quando um detector de gás entra em alarme, você precisa saber instantaneamente como agir. É mais fácil fazer a escolha mais segura com rapidez quando os monitores podem comunicar a ação correta e reforçar o comportamento seguro. Mensagens de ação de alarme personalizadas, como EVACUAR ou USAR SCBA correspondem a pontos de ajuste de alarme, tornando mais fácil tomar as medidas apropriadas em uma emergência.

Os alarmes em tela cheia combinam bem com as mensagens de ação de alarme usando toda a área de exibição para apresentar informações sobre o sensor em questão. Isso torna mais fácil concentrar-se no gás que está causando o alarme, sem a distração de leituras não críticas. Mais informações do sensor exigem mais interpretação e podem levar a tempos de reação mais demorados quando cada segundo conta.

6. Conectividade ponto a ponto

A conectividade ponto a ponto conecta monitores de gás próximos para compartilhar automaticamente leituras de gás, alarmes de pânico, alarmes de ausência de movimento e muito mais. Em vez de adivinhar o que fazer quando um monitor de gás entra em alarme, a conectividade ponto a ponto em detectores de gás garante que você receba as informações de que precisa para agir rapidamente.

Quando um perigo de gás, uma situação de ausência de movimento ou de pânico fizer um instrumento disparar um alarme, todos os membros do grupo conectado receberão instantaneamente nos seus monitores um alerta mostrando quem está em perigo e por que. Os trabalhadores podem até mesmo receber leituras de monitores de área nas vizinhanças para saber se há perigos de gás se aproximando da sua área de trabalho.

Este recurso é fundamental para aplicações de espaço confinado. O NIOSH dos EUA relata que mais de 60% das mortes em espaços confinados são de socorristas que morrem tentando salvar um membro da equipe porque a pessoa que está no espaço confinado não consegue comunicar os perigos lá dentro. Conectar detectores de gás por meio de conectividade ponto a ponto dá a todos as informações necessárias para tomar decisões que salvam vidas.

7. Suporte para monitoramento ao vivo

Pense no que você deseja e precisa que os seus detectores de gás façam nos próximos 4 a 8 anos. A Internet das Coisas Industrial (IIoT) levou a um aumento do número de detectores de gás conectados, que provavelmente se tornarão padrão na próxima década. Se você não está pronto para a segurança conectada por enquanto, considere monitores que tenham recursos de tecnologia incorporados, para que, caso decida depois usar software de monitoramento ao vivo, os seus monitores sejam compatíveis.

O monitoramento ao vivo é um salto quântico na detecção de gás, pois permite que os gerentes de segurança vejam quando trabalhadores encontram perigos, qual é o perigo, onde estão localizados e se o trabalhador precisa de ajuda. O monitoramento ao vivo melhora os resultados de segurança, dando aos gerentes de segurança as informações de que precisam para responder rapidamente em uma emergência.

Normalmente, o monitoramento ao vivo requer um gateway especial, celular, ou conectividade wi-fi para retransmitir informações para a nuvem. Alguns detectores de gás são desenvolvidos para você poder adicionar esse recurso ao longo do tempo, se as suas necessidades mudarem.

8. Manutenção fácil

O seu detector de gás só é bom se o seu plano de manutenção for bom. As más notícias? Muitas empresas não têm esse plano. Com efeito, o banco de dados do nosso iNet® Control mostra a triste verdade de que apenas 20% dos usuários fazem testes de resposta todos os dias. Isso é preocupante, para dizer o mínimo.

Quando o tempo é limitado e os reparos críticos têm precedência, não é incomum que a manutenção de rotina dos detectores de gás seja deixada para depois. Programas de serviço baseados em assinatura permitem alugar detectores de gás e emparelhá-los com docking stations para automatizar a manutenção de rotina e eliminar reparos.

Quando uma docking station detecta um declínio no desempenho de um monitor, solicita automaticamente um aparelho de reposição para eliminar o tempo de inatividade do monitor de gás, o incômodo das solicitações de garantia e o custo de peças de reposição ou monitores sobressalentes. Depois de receber o monitor de substituição, você envia de volta o antigo. Com um programa como este, você saberá que os seus detectores de gás estarão sempre trabalhando tão pesado como você.

Precisa de ajuda para escolher o monitor certo? Contate-nos para obter a avaliação gratuita de um especialista das suas necessidades de detecção de gás.