Where To Buy Contact Options
ícone de telefone
Se você tem dúvidas, ligue para nós.
1-800-338-3287
Talk to an Expert
mobile menu icon mobile menu close icon

Recentemente, respondi a mais perguntas e tive mais consultas do que nunca sobre como obter e usar gás de calibração "equivalente a pentano".  Então, que história é essa de gás “equivalente a pentano”?

A noção de gás "equivalente a pentano" ou "equivalente a propano" foi iniciada por um fabricante específico de instrumentos de monitoramento de gás há muitos anos. Foi adotada algumas vezes por outros fabricantes e recentemente ganhou mais notoriedade no mercado. Tanto é assim que os usuários finais de monitores de gás combustível estão começando a entrar em contato com os fornecedores de gás de calibração e pedindo gás equivalente a pentano. Isso é algo que simplesmente não se pode fazer.

A premissa é que convém calibrar os sensores de gás combustível catalíticos com pentano, porque assim se obtêm valores mais altos do que as leituras reais de concentração e uma resposta segura quando estiver detectando outros gases. O problema, como reconhecemos, é que, se a resposta do sensor ao metano for diminuída devido a envenenamento, não será possível ver isso com uma calibração de pentano.

O gás equivalente a pentano é uma concentração de metano ajustada para fornecer a mesma resposta que uma concentração conhecida de 25% de LEL e 50% de LEL pentano. Essa correlação precisa ser feita com base nas sensibilidades relativas de um novo sensor para cada gás e, quando feita com um novo sensor, a precisão da calibração é de +/- 25% na melhor das hipóteses.

No meu modo de ver, é aí que está o problema. O ato de calibração deve definir a resposta do instrumento e do sensor a um padrão conhecido para estabelecer a precisão básica das leituras. Quando usa gás equivalente a pentano, você está dizendo ao instrumento que está calibrando para 25% de LEL pentano quando na verdade está calibrando para alguma concentração aleatória de metano. Digo aleatória porque como a sensibilidade ao metano muda por causa do envenenamento e a correlação entre o pentano e o metano muda junto com ela, agora você não tem ideia do que o padrão de calibração e a correlação realmente são.

Se estiver calibrando para 25% LEL pentano, você estará realmente configurando o instrumento para isso, e se estiver calibrando com 25 ou 50% de LEL metano você estará definindo o instrumento para esses padrões conhecidos, e não estará contando com uma correlação desconhecida ou variável para estabelecer uma referência precisa, como estaria com os chamados gases equivalentes.

Embora seja verdade que o sensor será envenenado para metano e perderá sensibilidade ao metano primeiro, a sensibilidade relativa inicial do metano ao pentano costuma ser em torno de 2:1. Portanto, há muito a perder. Como usuário, eu realmente não ligo que a leitura esperada de metano quando se está calibrando para pentano deva ser de 2:1. A única coisa que me importa é que, se eu encontrar metano, o instrumento emita um alarme e me avise do perigo. Se o sensor perdeu metade de sua sensibilidade ao metano, continuará fornecendo a leitura correta de metano quando calibrado para pentano. Agora, levando em conta que hoje em dia a maioria dos ajustes de alarme do sensor LEL é de 10% ou até 5% de LEL, mesmo com uma concentração de 50% de LEL tem-se um fator de segurança de 5 a 10 vezes além da calibração de pentano.

Junto com isso, em quase 25 anos de trabalho com instrumentos de monitoramento de gás combustível, ainda não vi um sensor tão grave e naturalmente envenenado que não respondesse nada ao metano e ainda fornecesse uma leitura de pentano sequer perto do normal. Se o sensor estiver muito envenenado, haverá também uma perda significativa de sensibilidade ao pentano, que será vista em leituras de amplitude total de pentano reduzidas durante a calibração.

Embora seja sem dúvida verdade que o uso de um gás de calibração equivalente a pentano ou equivalente a propano ajuda a reconhecer que um sensor foi envenenado para metano, também há outras maneiras de fazer isso. Você pode calibrar o seu sensor para pentano para definir uma referência precisa e fazer um teste de resposta dos mesmos sensores antes de usar com metano, como verificação de envenenamento.

A Industrial Scientific tem uma solução melhor para esse problema no instrumento multigases MX6 iBrid. O MX6 permite definir e estabelecer o gás de calibração para o metano e, em seguida, selecionar e aplicar automaticamente um fator de resposta do pentano às leituras. Isso oferece o melhor dos dois mundos! Você pode calibrar, estabelecer a precisão e detectar envenenamento para metano nas leituras de amplitude total do sensor e ter a resposta de leitura aprimorada usando o fator de correlação de pentano como se o sensor fosse calibrado para pentano. Quando o sensor perde sensibilidade ao metano, as leituras correlacionadas com pentano ficam mais pronunciadas.

Fora do MX6, a recomendação da Industrial Scientific para a calibração de sensores de gás combustível continua como sempre foi. Se você souber o gás alvo que será detectado, calibre o sensor para uma concentração conhecida desse gás. Se estiver usando o sensor para detecção geral de gás combustível, calibre para uma concentração conhecida de pentano.

No final, você precisa determinar o que é mais importante para você. Se estiver usando seus sensores em áreas onde venenos de sensor conhecidos são predominantes, é provável que você precise se conformar e calibrar os seus sensores regularmente com metano. Você poderá detectar os efeitos do envenenamento e ainda estabelecer as suas leituras com base em um padrão conhecido e constante. Se o envenenamento for apenas um problema menor e ter uma base precisa para as suas leituras é uma prioridade para você, continue a calibrar com pentano e esqueça a noção de gases equivalentes.