Where To Buy Contact Options
ícone de telefone
Se você tem dúvidas, ligue para nós.
1-800-338-3287
Talk to an Expert
mobile menu icon mobile menu close icon

Uma das tendências mais recentes e de mais rápido crescimento na detecção de gás é o uso de sensores infravermelhos para detectar níveis LEL de gás combustível. Estive envolvido em um longo debate com um cliente esta semana sobre se a tecnologia de infravermelho era ou não o ideal para o trabalho que ele estava fazendo. A pergunta é: é adequado para a sua aplicação?

Muita gente aderiu ao movimento em direção a detectores de gás combustível infravermelhos por acreditar que essa tecnologia proporciona maior estabilidade das leituras, maior vida útil do sensor e menor necessidade de calibração, ou mesmo nenhuma necessidade de calibração. Pode haver algum grau de verdade nesses pontos, mas voltaremos e discutiremos mais tarde. Para começar, há outros pontos levar em conta sobre os sensores infravermelhos e suas contrapartes no sensor catalítico.

Os sensores infravermelhos fornecem duas vantagens claras para a detecção de gases combustíveis. Não perdem a sensibilidade devido ao envenenamento químico e não precisam da presença de oxigênio para funcionar apropriadamente como os tradicionais sensores catalítico.

Mas é aí que as vantagens claras terminam. A saída dos sensores infravermelhos pode ser muito afetada pela alta umidade e mudanças da temperatura e pressão ambientes. Geralmente, os efeitos desses fatores nos sensores catalíticos são considerados insignificantes.

A saída dos sensores infravermelhos é inerentemente não linear e as curvas de resposta variam para diferentes espécies de gás. Isso significa que o sensor deve ser caracterizado e calibrado para um determinado gás para produzir um resultado linear. A resposta linear do sensor catalítico facilita muito prever sua resposta a vários gases e fornecer um fator de correlação com base em praticamente qualquer gás usado para calibração.

linkedin-In-Stream_Wide___Sensors-Poison-Danger-DOF

O mais importante, porém, é que os sensores infravermelhos não são capazes de detectar hidrogênio. Se você estiver usando um sensor de infravermelho em um aplicativo de monitoramento de segurança onde houver qualquer possibilidade de que o hidrogênio possa apresentar um risco de explosão, PARE! Imediatamente! Você pode estar em grave perigo!

Voltemos às crenças originais sobre os sensores infravermelhos. De um modo geral, os sensores baseados em infravermelho têm melhor estabilidade em longo prazo e devem proporcionar maior vida útil do sensor com base nas fontes de luz IV de longa duração utilizadas. No entanto, esses sensores ainda estão expostos ao ambiente e aos perigos do uso diário no trabalho e, portanto, são suscetíveis a que o caminho do gás para o sensor fique bloqueado por sujeira e detritos. Se o gás não puder entrar no sensor, não poderá ser detectado. As características da fonte de luz e do detector de IV também podem ser alteradas devido a danos causados por choque físico. Por essas razões, ainda é muito importante que os sensores de gás combustível infravermelho sejam testados e calibrados regularmente.

Os sensores infravermelhos para detectar gases combustíveis podem ser a última onda.  E podem ser a escolha perfeita em aplicações onde for necessária a detecção de um gás conhecido em um ambiente de baixo oxigênio. Mas antes de instalar sensores IV nos seus instrumentos, certifique-se de que eles realmente funcionem para você.