Os perigos da exposição a HCN durante a revisão pós-incêndio

Os perigos da exposição a HCN durante a revisão pós-incêndio

Industrial Scientific | sexta-feira, 26 de junho de 2020

Quando os bombeiros combatem um incêndio estrutural, os riscos à vida e à saúde são óbvios. As chamas, a fumaça densa e o calor extremo são lembretes claros de que o descuido pode levar a consequências trágicas. Uma vez apagado o incêndio, porém, a operação passa para a fase mais rotineira de recuperação e revisão. Nesse ponto, os socorristas podem ser levados a uma falsa sensação de segurança, porque o perigo mais grave agora é praticamente invisível - gases tóxicos no ambiente.

A pesquisa mostrou que essas toxinas permanecem em níveis alarmantes bem depois que o fogo foi apagado. Mas como a maioria dos bombeiros não carrega detectores de gás portáteis, provavelmente não têm conhecimento do perigo e podem remover a máscara SCBA e correr o risco de inalar vapores tóxicos.

INCÊNDIO - RESPOSTA DE EMERGÊNCIA

Incêndio - Resposta de emergência

Fale com um especialista

A fumaça do fogo é uma complexa mistura de toxinas e o cianeto de hidrogênio (HCN) é um dos mais comuns e perigosos. Embora muitas vezes o monóxido de carbono (CO) chame a atenção, o HCN costuma ser encontrado ao lado dele e, juntos, são conhecidos como os "gêmeos tóxicos". Ambos são asfixiantes, o que significa que interferem na capacidade do organismo de processar oxigênio. Individualmente, são perigosos. Juntos, são ainda mais mortais.

Historicamente, o HCN não era uma preocupação após um incêndio doméstico típico. Porém, quando o uso de materiais sintéticos começou a substituir os materiais naturais na indústria da construção, o HCN ficou mais comum. Quando aquecidas, essas fibras e produtos a base de petróleo emitem HCN em níveis nunca antes vistos pelos bombeiros.

Qual é o perigo da exposição ao gás HCN?

O Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional (NIOSH) determinou que, a 50 ppm, o HCN pode tornar alguém incapaz de escapar para a segurança e, portanto, é imediatamente perigoso para a vida e a saúde (IDLH). Mas, mesmo em níveis muito mais baixos, os efeitos de longo prazo para a saúde são uma preocupação. Com apenas 4,7 ppm, a exposição deve ser limitada a quinze minutos por dia.

Após um incêndio, não é incomum que os bombeiros experimentem dores de cabeça, dor de garganta e náusea. Infelizmente, poucos bombeiros ligam esses sintomas à inalação de gases tóxicos. De acordo com os Centros de Controle de Doenças, os primeiros sintomas do envenenamento por cianeto incluem tontura, respiração rápida, náusea, vômito, sensação de constrição e asfixia no pescoço, confusão, inquietação e ansiedade.1

Embora uma única exposição a altas concentrações de HCN seja preocupante, são as repetidas exposições ao longo da vida de combate a incêndios que causam danos de longo prazo ao corpo humano. Cada exposição danifica as células, e o coração, o cérebro e o sistema nervoso são especialmente propensos à degradação. É por isso que é importante que os bombeiros monitorem as concentrações de gás durante a revisão.

Quando é seguro remover o meu SCBA?

Considerando os perigos impostos pelo HCN e outros gases tóxicos, como você sabe quando é seguro remover um SCBA?

Uma solução é treinar os bombeiros para usarem sempre SCBAs durante a revisão. O problema dessa abordagem é óbvio: O equipamento SCBA é quente e restritivo. Quando as práticas de segurança se tornam onerosas, por mais bem-intencionadas que sejam, as pessoas tendem a ignorá-las.

Uma solução melhor é usar equipamento SCBA quando as condições atmosféricas o exigirem. Isso significa transportar um detector de gás portátil que dispare um alarme quando o HCN ou outros gases atingirem níveis perigosos.

Na Industrial Scientific, os nossos detectores de gás portáteis são projetados para esse tipo de aplicação. O detector multigases Ventis® Pro5 é ideal para monitorar HCN e outros gases durante a revisão, porque as suas notificações personalizadas tornam as instruções de segurança claras e fáceis. Por exemplo, pode-se configurar o monitor para exibir "Usar SCBA" quando o HCN ou outros gases atingirem níveis perigosos. Isso elimina qualquer dúvida sobre como se deve responder. O uso do Ventis Pro5 para monitorar as concentrações de gases durante a revisão também significa que você só precisa de um medidor para monitorar até cinco gases. Além de monóxido de carbono (CO) e cianeto de hidrogênio (HCN), os bombeiros normalmente usam sensores de limite explosivo inferior (LEL), oxigênio (O2), monóxido de carbono (CO) e sulfeto de hidrogênio (H2S). A Industrial Scientific oferece uma ampla seleção de sensores adicionais, para que você possa escolher os mais relevantes para os perigos que o seu departamento provavelmente encontrará.

 

Saiba mais on-line sobre a linha completa de soluções de detecção de gás para equipes de resposta a incêndios e emergências.

 

https://www.cdc.gov/niosh/ershdb/emergencyresponsecard_29750038.html