Dicas para usar detectores de gás em clima frio

Dicas para usar detectores de gás em clima frio

Dave Wagner | sexta-feira, 26 de junho de 2020

Com o tempo mais frio chegando, você pode ter preocupações sobre o funcionamento dos seus equipamentos portáteis de detecção de gás quando o inverno capturar o termômetro. Alguns instrumentos são certificados para temperaturas de até -40 graus. Contudo, a certificação de baixa temperatura para operação contínua da maioria dos monitores de gás portáteis é de -20 graus Celsius. Mesmo assim, a maioria dos instrumentos pode ser usada em temperaturas mais baixas por períodos breves. A resposta do sensor certamente mudará à medida que as temperaturas forem ficando mais frias, mas os monitores de gás mais sofisticados normalmente usam uma “compensação de temperatura” para manter as leituras de gás em +/- 15% das concentrações reais.

Aqui estão algumas dicas para ajudar você a ter um sentimento caloroso ao usar detectores de gás em climas frios.

1. Menos de 20 minutos: não é necessário estabilizar. Quando você sai, sente o frio instantaneamente. No entanto, demora algum tempo até o seu monitor de gás atingir o equilíbrio com a temperatura ambiente. A compensação de temperatura geralmente acompanha a temperatura interna do monitor. Se você for usar o monitor por 20 minutos ou menos, não há necessidade de esperar que ele se estabilize e se ajuste à temperatura antes de usá-lo. Ligue, tire as suas leituras e volte para dentro, onde está quente.

2. Mais de 20 minutos: estabilize. Se for usar o monitor por períodos de mais de 20 minutos, deixe que se estabilize na temperatura ambiente por 15 a 20 minutos antes do uso, ligá-lo e zerar os sensores ao ar livre.

3. Armazene em uma área úmida. O clima frio do inverno pode ser extremamente seco, em especial nas planícies do norte, no noroeste do Canadá e no Alasca. O clima seco afeta o desempenho de alguns sensores eletroquímicos ainda mais do que as temperaturas frias. Para evitar que os eletrólitos aquosos sequem, armazene e carregue os seus instrumentos em uma área umidificada. Manter a umidade relativa do ambiente entre 40 e 50% ajuda a manter a sensibilidade dos seus sensores e os mantém funcionando por mais tempo.

4. Faça testes de resposta com frequência se o monitor estiver lento. A resposta do instrumento pode parecer lenta em temperaturas abaixo de -20 °C. A tela pode ficar fraca e até ficar em branco, se congelar. Se isso acontecer, é provável que o seu monitor de gás continue detectando gás e emitindo alarmes. Se precisar usá-lo nessas condições, você precisará fazer um teste de resposta antes de cada uso, para ter certeza de que responde, e precisará aquecer o instrumento logo que for possível.

5. Verifique se há um sensor de oxigênio congelado. Normalmente, os sensores eletroquímicos do instrumento têm um eletrólito aquoso e, em alguns casos, podem congelar quando as temperaturas caem abaixo de -20 °C por um período prolongado. O sensor de oxigênio costuma ser o primeiro a congelar. Quando congelados, os sensores não são capazes de produzir uma leitura confiável, mas a funcionalidade deverá retornar quando se aquecerem e descongelarem.

6. Esteja pronto para carregar com mais frequência. O tempo de funcionamento da bateria pode ser reduzido em temperaturas frias. Abaixo de -20 °C, o tempo de operação pode ser reduzido em 50% ou mais.

7. Mantenha o monitor quente até precisar dele. Deixar o monitor de gás perto do corpo o mantém o mais quente possível. Se estiver usando o monitor para amostragem remota, deixá-lo dentro do casaco o maior tempo possível ajudará a mantê-lo aquecido e funcionando por mais tempo.

Uma boa regra prática para usar detectores de gás em climas frios é que, se você aguentar ficar trabalhando fora no frio, o seu monitor também aguenta. Se estiver frio demais para você, é provável que esteja frio demais para o instrumento.

Está frio lá fora. Portanto até voltarem as temperaturas mais amenas da primavera, trabalhe em segurança, e tente se aquecer.